Natal, uma festa injusta?

(adaptado do texto do Pr. Márlon Hüther Antunes)

“Bom é render graças ao Senhor, e cantar louvores ao teu nome, ó Altíssimo, anunciar de manhã a tua benignidade, e à noite a tua fidelidade”
(Salmos 92:1-2)


As vésperas de mais um Natal, as pessoas correm freneticamente para os últimos preparativos da ceia, compram presentes, reúnem familiares e amigos; uma festa para se gastar o que durante o ano todo não se gastou, afinal é natal! Os sentimentos de amor, perdão e bondade das pessoas afloram nestes dias, logo serão esquecidos, uma vez que, restarão só sobras, ressaca, dívidas do cartão de crédito, vazio porque todos já se foram. Assim, o ano novo trará o anonimato da rotina. Pessoas perceberão o quanto estão a sós, enganadas, maculando algo. Então, mais um natal comprovou sua rotina, sem novidades, um desencanto.

Se forem levados em conta apenas estes fatos, então é verdade que o Natal é uma festa injusta, e também, Deus é injusto, pois enquanto alguns recebem os presentes mais doces, outros amargam mesa sem ceia, árvore sem luz e os embrulhos com outros presentes desagradáveis que a vida oferece. O que dizer daqueles que passam num leito hospitalar, longe da família, sem condições financeiras para presentear? Será uma festa injusta, se fundamentarmos o que o papai Noel tem a oferecer, e o pressuposto que ele se utiliza: “Só aos que foram bonzinhos”.

Ainda bem que o Natal não é só isso! Natal não pode ser comprado nem merecido, e se presentes são dados e recebidos, antes de tudo lembram que Deus na sua justiça e misericórdia presenteou a todos, com uma roupagem e maneira simples, nada de shoppings ou mesa farta, mas na simplicidade de uma manjedoura, no nascimento do Emanuel – Deus conosco.

Natal tornou-se vazio, porque ninguém quer parar um pouco, deveria ser antes de tudo um tempo de reflexão, mas quem quer diminuir o ritmo, olhar para sua realidade? Sem a simplicidade de uma criança não há como viver o verdadeiro encanto do Natal, afinal: “quem não receber o reino de Deus como uma criança de maneira alguma entrará nele” (Lucas 18.17). Através de uma criança Deus enviou o verdadeiro e real presente, útil não só num mês do ano, mas permanente por toda a vida e mais decisivo no final dela.

O Natal pode ser injusto, quando olhamos para nós e vemos que mesmo assim, Deus se compadeceu de todos se presenteando, independente daqueles que podem ter um Natal gordo ou mesmo aparentemente miserável; Será loucura para alguns, salvação para outros (1ª Coríntios 1.18). Todos podem celebrar o mesmo sentido, receber o mesmo presente! Injusto? Injusto é receber um presente e deixá-lo jogado embaixo da árvore de Natal, ignorado, petrificado como o menino Jesus no presépio, guardado em caixas durante o ano! Natal é Deus conosco, tempo de agradecer, tempo de louvar! Feliz Natal!

REFLEXÃO: “Glória a Deus nas maiores alturas, e paz na terra entre os homens, a quem ele quer bem” (Lucas 2:14)

Papai Noel ou Papai do Céu?

"e Deus enviou seu Filho..." (João 3:16)

É Natal! Tempo de pensarmos sobre certas coisas que ensinamos aos nossos filhos.

Gostaria de discutir a figura do papai Noel.

Papai Noel derivou-se da figura de um santo da Ásia Menor (que nasceu em 271), chamado Nicolaus. Diz a lenda que ele distribuía dinheiro e presentes aos pobres e as crianças.

Quanto ao “bom velhinho” de roupa vermelha, bochecha rosada e gorro, foi uma criação da Coca Cola Company em 1931 para suas campanhas publicitárias. A rigor, do jeito que temos hoje, o papai Noel foi criado pela Coca Cola! (sic!).

O problema não é a origem, mas sim o que ele significa hoje. Preocupa-me o fato de que algumas crianças pensem somente em papai Noel e em presentes associados a palavra natal.

O papai Noel e o comércio (presentes) têm tomado o lugar (nas mentes das crianças) do verdadeiro significado do Natal. [Ou será que dos adultos também!?].

O Natal é uma festa cristã que comemora o nascimento de Jesus (embora Jesus não tenha de fato nascido no dia 25 de dezembro).

O Natal nos lembra que um dia, na história, Deus enviou seu próprio filho para morrer pelos nossos pecados e nos restaurar à condição de filhos de Deus. Esse é o verdadeiro presente do Natal. Tudo o mais é muito pouco diante da oferta graciosa do Criador do Universo. Por isso, você deve ensinar seus filhos sobre o verdadeiro sentido do Natal...

Ensine a eles que os presentes que eles ganharão simbolizam o maior presente dado por Deus aos seres humanos, seu próprio filho amado.

Aproveite a oportunidade para explicar aos seus filhos sobre o porquê Jesus veio ao mundo.

Quanto àquele homem vestido de vermelho, de gorro e barba (num país quente como o Brasil), explique aos seus filhos que se trata de um funcionário da loja (ou do shopping) que tem a função de divertir as crianças no período de Natal (assim como os palhaços).

Cuidado para o papai Noel não dominar a mente dos seus filhos a ponto de ser confundido com o Natal.

Natal é a festa do Papai do Céu! É ele quem nos envia o maior presente!

(texto acima por Luis Eduardo Machado)

Quando comparamos atentamente o mito do papai Noel com a história bíblica real de Jesus Cristo, vemos a realidade chocante que satanás suplantou Jesus Cristo na vida de muitas pessoas.

Antes que você reaja sem pensar, separe alguns minutos para ler esta comparação entre os ensinos bíblicos de Jesus Cristo e os ensinos místicos do papai Noel. Muitos pastores lamentam o fato de que o papai Noel substituiu Jesus Cristo no coração e na mente de muitas crianças e adultos no nosso país atualmente. Quando você ler esta comparação, compreenderá que essa substituição no coração e na mente das pessoas não é acidental. Verá que Satanás, o mestre das marionetes, está puxando as cordinhas do mundo, levando os adultos e as crianças para longe de Jesus Cristo e em direção ao papai noel, que é o epítome do amor ao mundo e a tudo o que nele há.

Comparação Entre Jesus Cristo e o papai Noel

Jesus: Nosso Senhor e Salvador de Acordo com a Bíblia
noel: A Falsificação de Acordo com o Mito Humano

Jesus
: Tem os cabelos brancos como a lã [Apocalipse 1:14]
noel: Tem os cabelos brancos como a lã

Jesus: Tem barba [Isaías 50:6]
noel:. Tem barba

Jesus: Veste um manto vermelho [Apocalipse 19:13]
noel: Veste-se de vermelho

Jesus: A hora da sua vinda é surpresa [Lucas 12:40; Marcos 13:33]
noel: A hora da sua vinda é surpresa

Jesus: Vem do norte, onde vive [Ezequiel 1:4; Salmos 48:2]
noel: Vem do Polo Norte, onde vive

Jesus: Trabalhou como carpinteiro [Marcos 6:3]
noel: Fabrica brinquedos de madeira

Jesus: Vem como o ladrão de noite [Mateus 24:43-44]
noel: Vem como o ladrão de noite; entra na casa como um ladrão

Jesus: Onipotente — o Todo-poderoso [Apocalipse 19:6]
noel: Onipotente — pode entregar todos os brinquedos no mundo inteiro em uma só noite

Jesus: Onisciente — conhece todas as coisas [Hebreus 4:13; 1 João 3:20]
noel: Onisciente — sabe se a criança foi boa ou má o ano todo

Jesus: Onipresente [Salmos 139:7-10; Efésios 4:6; João 3:13
noel: Onipresente — vê quando a criança está acordada ou dormindo. Precisa estar em toda a parte ao mesmo tempo para entregar todos os presentes em todo o mundo na mesma noite

Jesus: Vive para todo o sempre [Apocalipse 1:8; 21:6]
noel: Vive para sempre

Jesus: Vive naqueles que o receberam [1 Coríntios 3:16; 2 Coríntios 6:16-17]
noel: Vive no coração das crianças

Jesus: Distribui dons [Efésios 4:8]
noel: Distribui presentes

Jesus: É a verdade absoluta [João 14:6]
noel: Fábula absoluta [1 Timóteo 1:4; 4:7; 2 Timóteo 4:4]

Jesus: Senta-se em um trono [Apocalipse 5:1; Hebreus 1:8]
noel: Senta-se em um trono

Jesus: Somos exortados a nos achegar ao seu trono de graça e a expor nossas necessidades a ele [Hebreus 4:16]
noel: As crianças são convidadas a se aproximarem do seu trono e a pedir tudo o que quiserem

Jesus: Um de seus mandamentos é que os filhos honrem aos pais
noel: Diz às crianças para obedecerem aos pais

Jesus: Convida as crianças a irem a ele [Marcos 10:14]
noel: Convida as crianças a irem a ele

Jesus: Julga [Romanos 14:10; Mateus 25:31-46]
noel: Julga se a criança foi boa ou má

Jesus: Pai da Eternidade [Isaías 9:6]
noel: papai noel (Pai do Natal - francês)... um absurdo!

Jesus: Menino Jesus [Mateus 1:23; Lucas 2:11-12]
noel: Kris Kringle [significa Menino Cristo]

Jesus: Digno de receber orações e adoração [Apocalipse 5:12-14; Hebreus 1:6]
noel: As crianças adoram e rezam a São Nicolau

Jesus: Senhor dos Exércitos [Malaquias 3:5; Isaías 8:13; Salmos 24:10]
noel: Senhor de um exército de elfos [na tradição druídica, os elfos eram demônios ou espíritos das árvores]

Jesus: Deus diz, "Eh! Eh!... [Zacarias 2:6]
noel: O Papai Noel diz "Ho, ho, ho..."

Jesus: Príncipe da Paz, a Imagem de Deus [Isaías 9:6; Hebreus 1:3];
noel: Símbolo da Paz Mundial, a imagem do período do Natal

Coincidência? Certamente que não. Se você é um cristão estudioso, conectado com Deus e "ligado" com o que se passa com este mundo neste últimos tempos, já deve estar acostumado com as artimanhas incansáveis de satanás. Agora, se você que lê este artigo é uma daquelas pessoas que pensam que isto é mais uma daquelas bobagens inventadas como a questão que envolve todo o sistema do "rock'n roll", creio que já está na hora de reparar como o inimigo de Deus (e nosso também) trabalha ininterruptamente para tirar o foco de Cristo em quase tudo da vida dos seres humanos. Sim, quase tudo! Por favor, comece a reparar como as coisas à sua volta funcionam, e como quase sempre existe algo espititual envolvido, de modo que a verdade seja mascarada. Talvez você seja uma daquelas pessoas que não vê maldade em nada, mas tenho certeza que você já está cansado de perceber como a maldade vem se multiplicando no mundo. Acredite: existe um porquê de tudo isto estar acontecendo, apesar de parecer que está tudo bem.

Pelas comparações acima, não há como negar que "alguém" criou uma falsificação secular de Jesus Cristo, colocando muitos de seus atributos no papai noel! Existem tantos pontos em comum, que é impensável que essa criação tenha sido acidental. Satanás pode ser imaginado como o mestre das marionetes, que puxa as cordinhas na Terra. Certamente, nestes dias finais, ele quer ter alguém que desvie a atenção, a admiração e o amor das crianças de Jesus Cristo. Mas, não somente isso, também quer contaminar as crianças desde cedo com a mais devastadora das doenças espirituais, o amor aos bens materiais e o amor a si mesmo, que acompanham o desejo de receber o maior número possível de presentes! A criação e a promoção do papai noel certamente cumprem todos esses objetivos.

As crianças estão aprendendo desde cedo a amar os bens materiais, a tentar obter o maior número possível de brinquedos, e a amar a si mesmas, tudo como consequência de acreditar nesse mito pagão do papai noel. Essa profecia abaixo descreve exatamente como está nossa sociedade nos dias atuais:

REFLEXÃO: "Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus." [2 Timóteo 3:1-4].

Pense Nisto!

Milhares de vidas transformadas

(Pr. Rubens M. Scheffel)

"A religião pura e sem mácula, para com o nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações e a si mesmo guardar-se incontaminado do mundo" (Tiago 1:27)

Milton Soldani Afonso nasceu pobre, em 12 de dezembro de 1921, mas se tornou um empresário de sucesso que lida com milhões de dólares. É o fundador da Golden Cross e proprietário da UNISA (Universidade de Santo Amaro), com mais de 20 mil alunos. Ele garante que, embora sua posição na vida tenha mudado muito, uma coisa que o dinheiro não mudou foi sua fé em Deus, a quem tudo deve.

Ele diz: “Quando comecei meus negócios, eu era um pobre coitado lá de Minas Gerais, e minha mãe trabalhava dia e noite para poder me mandar para o Colégio Adventista. Em 1936 (com 15 anos) eu ainda usava calças curtas. Nas férias tive que pedir dinheiro emprestado e também umas calças compridas para colportar na cidade de Bananal. Comecei a colportar ali e, em 15 dias, eu já estava com bastante dinheiro. Vim passar o restante das férias no Rio de Janeiro, e daí fiz um propósito: conforme eu fosse ganhando dinheiro, ajudaria outros jovens a estudar também. Houve um ano em que cheguei a ser campeão nacional de colportagem.”

Milton Afonso cumpriu esse propósito e ajudou cerca de 70 mil jovens a estudar. Houve uma época em que doava mais de dois milhões e meio de dólares por mês para custear os sete mil bolsistas da Golden Cross. Além disso, mantém vários orfanatos, e educa as crianças desamparadas “do berço à universidade”.

Um dia uma senhora foi com o marido fazer-lhe uma visita de agradecimento, e contou sua história: “Minha mãe era nortista, veio trabalhar no Rio, engravidou, e a patroa disse que ia mandá-la embora. Antes, porém, mandou-a comprar algo no supermercado. Como estava chorando muito, uma senhora idosa lhe perguntou: “Por que você está chorando?” “É porque vou me matar, pois estou grávida, a patroa vai me mandar embora, e eu não tenho para onde ir.” “Mas não faça isso”, disse a senhora. “Quando a criança nascer, pode dá-la para mim. Vou encontrar alguém que cuide dela e a eduque.” “Minha mãe fez isso, e aquela criança hoje sou eu, casada com um pastor.” Ela havia sido criada e educada num dos orfanatos mantidos pelo Dr. Milton Afonso.

Milhares de vidas foram transformadas porque um homem, cheio de gratidão a Deus, decidiu retribuir as bênçãos recebidas ajudando os menos favorecidos.

Fonte: MM 2010

REFLEXÃO: “Porque onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração”
(Mateus 6:21)


Ellen G. White e o Natal

Quando chega o Natal, muitos interrogam: É certo fazermos comemoração do Natal, uma vez que não sabemos nem o dia em que Jesus nasceu? É certo colocarmos uma árvore de Natal na igreja, para alegria das crianças? Ellen White, nesta entrevista, nos orienta a respeito deste assunto. As perguntas são formuladas por nós, mas as respostas são literalmente da pena de Ellen G. White. Veja a fonte no final da entrevista.

Pergunta: Sra. White, podemos saber exatamente o dia em que Jesus nasceu?

E.G.W.: “A Bíblia não nos informa a data precisa do nascimento de Jesus. Se o Senhor tivesse considerado este conhecimento essencial para nossa salvação, ele se teria pronunciado através de Seus profetas e apóstolos, para que pudéssemos saber tudo a respeito do assunto. Mas o silêncio das Escrituras sobre este ponto dá-nos a evidência de que ele nos foi ocultado por razões as mais sábias.”

Pergunta: Se não sabemos o dia exato do nascimento de Jesus, é lícito realizarmos algum tipo de comemoração no dia 25 de dezembro, dia em que o mundo cristão comemora esse acontecimento?

E.G.W.: “Sendo que o 25 de dezembro é observado em comemoração do nascimento de Cristo, e sendo que as crianças têm sido instruídas por preceito e exemplo que este foi indubitavelmente um dia de alegria e regozijo, ser-vos-á difícil passar por alto este período sem lhes dar alguma atenção. Ele pode ser utilizado para um bom propósito.”

Pergunta: O que a senhora acha sobre o costume de dar presentes na época do Natal?

E.G.W.: “É agradável receber um presente, mesmo simples, daqueles a quem amamos. É uma afirmação de que não estamos esquecidos, e parece ligar-nos a eles mais intimamente… Está certo concedermos a outros demonstrações de amor e afeto, se em assim fazendo não esquecermos a Deus, o nosso melhor amigo. Devemos dar nossos presentes de tal maneira que se provem um real benefício ao que recebe. Eu recomendaria determinados livros que fossem um auxílio na compreensão da Palavra de Deus, ou que aumentem nosso amor por seus preceitos."

Pergunta: E como podemos manifestar a Jesus nosso reconhecimento nas festividades do Natal?

E.G.W.: “Irmãos e irmãs, enquanto estais planejando dar presentes uns aos outros, desejo lembrar-vos nosso Amigo celestial, para que não passeis por alto Suas reivindicações. Não se agradará Ele se mostrarmos que não O esquecemos? Jesus, o Príncipe da Vida, deu tudo a fim de pôr a salvação ao nosso alcance. Ele sofreu mesmo até a morte, para que nos pudesse dar a vida eterna… Não deve nosso Benfeitor celestial participar das provas de nossa gratidão e amor? Vinde, irmãos e irmãs, vinde com vossos filhos, mesmo os bebês em vossos braços, e trazei ofertas a Deus, segundo vossas possibilidades. Cantai ao Senhor em vosso coração, e esteja em vossos lábios o Seu louvor.”

Pergunta: A senhora vê alguma forma mais sensata de comemorarmos o Natal, do que aquela que é freqüentemente praticada entre os cristãos?

E.G.W.: “Temos o privilégio de afastar-nos dos costumes e práticas desta época degenerada; em vez de gastar meios meramente na satisfação do apetite, ou com ornamentos desnecessários ou artigos de vestuário, podemos tornar as festividades uma ocasião para honrar e glorificar a Deus. Cristo deve ser o objetivo supremo; mas da maneira em que o Natal tem sido observado, a glória é desviada dEle para o homem mortal, cujo caráter pecaminoso e defeituoso tornou necessário que Ele viesse ao nosso mundo. Jesus a Majestade do Céu, o nobre Rei do Céu, pôs de lado Sua realeza, deixou Seu trono de glória, Sua alta posição, e veio ao nosso mundo para trazer ao homem caído, debilitado nas faculdades morais e corrompido pelo pecado, auxílio divino… Os pais deviam trazer essas coisas ao conhecimento de seus filhos e instruí-los mandamento sobre mandamento, regra sobre regra, em suas obrigações para com Deus.”

Pergunta: E como fazer isso de tal forma que as crianças compreendam e aceitem de boa vontade?

E.G.W.: “Há muita coisa que pode ser planejada com gosto e muito menos dispêndio do que os desnecessários presentes que são freqüentemente oferecidos a nosso filhos e parentes, podendo assim ser mostrada cortesia e a felicidade de ser levada ao lar. Podeis ensinar uma lição aos vossos filhos enquanto lhes explicais a razão por que tendes feito uma mudança no valor de seus presentes, dizendo-lhes que estais convencidos de que tendes até então considerado o prazer deles mais que a glória de Deus… Como os magos do passado, podeis oferecer a Deus vossos melhores dons e mostrar por vossas ofertas a Ele que apreciais Seu dom por um mundo pecaminoso. Levai os pensamentos de vossos filhos através de um canal novo, altruístico, incitando-os a apresentar ofertas a Deus pelo dom do Seu Unigênito Filho."

Pergunta: E quanto ao costume de se colocar uma árvore de Natal na igreja?

E.G.W.: “Deus muito se alegraria se no Natal cada igreja tivesse uma árvore de Natal sobre a qual pendurar ofertas, grandes e pequenas, para essas casas de culto. Têm chegado a nós cartas com a interrogação: Devemos ter árvore de Natal? Não seria isto acompanhar o mundo? Respondemos: Podeis fazê-lo à semelhança do mundo, se tiverdes disposição para isto, ou podeis fazê-lo muito diferente. Não há particular pecado em selecionar um perfumoso pinheiro e pô-lo em nossas igrejas, mas o pecado está no motivo que induz à ação e no uso que é feito dos presentes postos na árvore. A árvore pode ser tão alta e seus ramos tão vastos quanto o requeiram a ocasião; mas os seus galhos estejam carregados com o fruto de ouro e prata de vossa beneficência, e apresentai vossas doações santificadas pela oração. As festividades de Natal e Ano Novo podem e devem ser celebradas em favor dos necessitados que têm família grande para sustentar.”

Nota: Todas as respostas acima colocadas são da pena de Ellen G. White, e encontram-se no livro Lar Adventista, às páginas 477 – 482.

Fonte: Advir Blog

"O que é a imaculada conceição?"

"Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus" (Romanos 3:23)

Muitas pessoas erroneamente crêem que a imaculada conceição se refere à conceição de Jesus Cristo. A conceição de Jesus foi asseguradamente imaculada... mas esta conceição não se refere a Jesus. A imaculada conceição é a doutrina da Igreja Católica Romana em relação a Maria, mãe de Jesus. Uma declaração oficial da doutrina diz: “... a abençoada Virgem Maria é, desde o primeiro instante de sua conceição, por uma singular graça e privilégio do Deus Todo Poderoso, em vista dos méritos de Jesus Cristo o Salvador da Humanidade, preservada livre de toda a mácula do pecado original.” Essencialmente, a imaculada conceição é a crença de que Maria foi protegida do pecado original, que Maria não teve uma natureza pecaminosa e foi, de fato, sem pecado.

O problema com a doutrina da imaculada conceição é que ela não é ensinada na Bíblia. A Bíblia em nenhum lugar descreve Maria como nada a não ser uma mulher comum a quem Deus escolheu para ser a mãe do Senhor Jesus Cristo. Maria foi sem dúvida uma mulher piedosa (Lucas 1:28). Maria foi certamente uma esposa e mãe maravilhosa. Jesus certamente amava e estimava Sua mãe (João 19:27). A Bíblia não nos dá qualquer razão para acreditar que Maria não tinha pecado. Na verdade, a Bíblia nos dá todos os motivos para acreditar que Jesus Cristo é a única Pessoa que não estava “infectada” pelo pecado e nunca cometeu pecado (Eclesiastes 7:20; Romanos 3:23; II Coríntios 5:21; I Pedro 2:22; I João 3:5).

A doutrina da imaculada conceição se originou da confusão sobre como Jesus Cristo poderia ter nascido sem pecado se Ele foi concebido dentro de uma mulher pecadora. A idéia era de que Jesus teria herdado a natureza pecaminosa de Maria se ela tivesse sido pecadora. Em contraste com a imaculada conceição a solução bíblica a este problema é compreender que o próprio Jesus foi miraculosamente protegido de ser poluído pelo pecado enquanto estava dentro de útero de Maria. Se Deus foi capaz de proteger Maria do pecado, não seria Ele capaz de proteger Jesus do pecado? Por esta razão, não é necessário ou bíblico que Maria seja livre de pecado.

A Igreja Católica Romana coloca que a imaculada conceição é necessária porque sem ela, Jesus teria sido objeto de Sua própria graça. A idéia é esta: para que Jesus tivesse sido miraculosamente preservado do pecado, o que seria em si um ato de graça, significaria que Deus estaria essencialmente “derramando graça sobre Si mesmo”. A palavra graça significa “favor imerecido”. Graça é dar a alguém algo que ele não merece. Deus, fazendo o milagre de preservar Jesus do pecado não é “graça”. De nenhuma forma Jesus poderia possivelmente ser infectado pelo pecado. Ele era perfeito e humanidade sem pecado, juntamente com divindade sem pecado. Deus não pode ser infectado ou afetado pelo pecado, por ser perfeitamente santo. A mesma verdade é aplicada a Jesus. Não foi necessária “graça” para proteger Jesus de pecado. Sendo Deus encarnado, Jesus foi, em sua essência, “imune” ao pecado.

Portanto, a doutrina da imaculada conceição não é bíblica e tampouco necessária. Jesus foi miraculosamente concebido dentro de Maria, que era, naquela altura, virgem. Este é o conceito bíblico do nascimento de uma virgem. A Bíblia nem ao menos insinua que houvesse qualquer coisa significante a respeito da conceição de Maria. Se examinarmos esta conceição de forma lógica, a mãe de Maria também deveria ter sido miraculosamente concebida. Como Maria poderia ter sido concebida sem pecado se sua mãe era pecadora? O mesmo deveria ser dito da avó de Maria, sua bisavó, e assim por diante. Portanto, concluindo, a imaculada conceição não é um ensinamento bíblico. A Bíblia ensina a miraculosa conceição de Jesus Cristo em uma virgem, não a imaculada conceição de Maria.

REFLEXÃO: “Tendo cuidado para que ninguém vos faça presa sua, por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo, e não segundo Cristo” (Colossenses 2:8)

Fonte: Got Questions (texto adaptado)

Papa afirma que preservativos servem somente para prostitutas

(adaptado do texto de Douglas Reis)


“Honrado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, Deus os julgará" (Hebreus 13:4)

O livro do jornalista alemão Peter Seewald nem bem foi lançado e já chamou a atenção da imprensa mundial. Intitulado Luz do Mundo: o Papa, a Igreja e os Sinais do Tempo, o livro de Seewald é fruto de vinte horas de entrevista cedida pelo Papa Bento XVI. Em meio às declarações do pontífice, uma foi alvo especial de polêmica: questionado sobre o uso de preservativos, Bento XVI afirmou que a única exceção para o seu emprego seria no caso de prostitutas, para evitar o risco de contaminação. O papa, conhecido pela rigidez em proibir os preservativos, recebeu elogios de muitas entidades, que enxergaram na declaração uma abertura da Igreja Católica para uma perspectiva mais "atual". Entretanto, como se poderia avaliar a questão? Devem os cristãos deixar seu "dogmatismo" para atender as necessidades da sociedade atual? O sexo seguro é uma saída legítima para se evitar doenças sexuais transmissíveis?

Quero primeiro me deter sobre a declaração de Bento XVI. Dizer que as prostitutas deveriam usar preservativo, apenas em virtude de sua condição, equivale a dizer que estupradores e maridos adúlteros também deveriam recorrer ao mesmo utensílio! Em ambos os casos, um ato pecaminoso corriqueiro se torna um motivo para que o pecado seja praticado com segurança!

Olhemos a questão como um todo mais de perto. A pressão que recai sobre a Igreja Católica, em particular e sobre a maioria dos cristãos, em geral, é feita no sentido de que aceitem o preservativo como defesa segura contra doenças sexualmente transmissíveis (sendo a AIDS a mais citada). Entretanto, para os cristãos, a preocupação não é essa. Toda a questão envolve a perspectiva da qual se parte. Ou seja: temos que levar os questionamentos a um estágio anterior. Antes de nos perguntarmos: "Qual é a maneira mais segura de praticar sexo?", deveríamos inquirir: "Quem pode fazer sexo?"

Eu sei que, na atualidade, a última pergunta parece ridícula. Ninguém a levaria a sério. Por quê? Pela razão de que a perspectiva secular é disseminada o suficiente para se impor na mente da maioria das pessoas. Isso não quer dizer que os cristãos devam se sujeitar. Temos uma referência: a Palavra de Deus, a qual é sólida e inequívoca. E os não-cristãos, com quem contam? Apenas com o homem como sua própria referência, finita e limitada, volúvel e mutável.

Não importam as modas intelectuais: a Bíblia afirma que sexo é reservado para os cônjuges; assim, se quisermos ser cristãos, nunca poderemos defender o sexo seguro (até porque ele não é de fato seguro: nem quanto ao quesito de evitar doenças, devido aos poros dos preservativos, ou quanto a ser capaz de preservar a integridade emocional). A maneira autenticamente cristã de solteiros evitarem doenças sexualmente transmissíveis chama-se abstinência sexual. Quanto às prostitutas, a solução é outra: conversão!

REFLEXÃO: “Não adulterarás” (Êxodo 20:14)

Fonte: BAP

Não Mais Maverick

(Pr Paulo R. Barbosa)

"E, vendo as multidões, teve grande compaixão delas, porque andavam cansadas e desgarradas, como ovelhas que não têm pastor" (Mateus 9:36)

Fora dos ranchos de gado do oeste americano perambulam livremente grandes bezerros conhecidos como "mavericks" (desgarrados, sem dono). O proprietário passa a ser aquele que os encontra e coloca neles a sua marca, registrando-os em uma publicação anual local. Uma pequena menina do oeste havia sido batizada no fim de semana anterior. Seus companheiros da Escola Bíblica lhe perguntaram se sabia o significado da formalidade pelo qual havia passado. Ela
respondeu: "Bem, eu lhes direi. Eu era uma pequena maverick nas campinas e Jesus me achou e colocou Sua marca em minha testa para que, ao me ver, saiba que sou uma de Suas filhas."

Como é maravilhoso saber que não estamos mais desgarrados. Não estamos perdidos, não estamos caminhando sem rumo, não estamos sós e nem abandonados. Alguém nos achou, alguém nos deu um nome, nos acariciou e consolou, nos vestiu de vestes santas e nos preparou um lar que nos abrigará para sempre.

Sim, temos agora alguém que se importa conosco. Ele nos registrou na publicação celestial -- O Livro da Vida. Ele é o nosso Senhor e Salvador e também o Amigo verdadeiro, de todos os momentos e de todas as circunstâncias.

Éramos como os mavericks do oeste americano, mas fomos arrebanhados. Fomos trazidos para o redil do amor de Deus. Somos agora os Seus filhos... os benditos do Pai. Nós temos agora "a marca" do Senhor. Ele nos reconhece por onde passamos. E não somente Ele -- todos nos reconhecem. Os que deixaram de ser "maverick" brilham por onde passam e espalham o perfume de Cristo em todos os ambientes. O Senhor é o nosso Pastor e nós somos Seu rebanho abençoado.

Você já tem "a marca" do Senhor? Seu nome já foi registrado no Livro da Vida? Ou continua sendo maverick nas campinas do mundo?

REFLEXÃO: “Visto como na sabedoria de Deus o mundo pela sua sabedoria não conheceu a Deus, aprouve a Deus salvar pela loucura da pregação os que crêem” (I Coríntios 1:21)

Fonte: Site do Paulo

Vivendo em Humildade

"Tinha Uzias dezesseis anos quando começou a reinar, e cinqüenta e cinco anos reinou em Jerusalém; e era o nome de sua mãe Jecolia, de Jerusalém. 4- E fez o que era reto aos olhos do SENHOR; conforme a tudo o que fizera Amazias seu pai. 5- Porque deu-se a buscar a Deus nos dias de Zacarias, que era entendido nas visões de Deus; e nos dias em que buscou ao SENHOR, Deus o fez prosperar. 6- Porque saiu e guerreou contra os filisteus, e quebrou o muro de Gate, o muro de Jabne, e o muro de Asdode; e edificou cidades em Asdode, e entre os filisteus.7- E Deus o ajudou contra os filisteus e contra os árabes que habitavam em Gur-Baal, e contra os meunitas. 8- E os amonitas deram presentes a Uzias; e o seu nome foi espalhado até à entrada do Egito, porque se fortificou altamente. 9- Também Uzias edificou torres em Jerusalém, à porta da esquina, e à porta do vale, e à porta do ângulo, e as fortificou. 10- Também edificou torres no deserto, e cavou muitos poços, porque tinha muito gado, tanto nos vales como nas campinas; tinha lavradores, e vinhateiros, nos montes e nos campos férteis; porque era amigo da agricultura. 11- Tinha também Uzias um exército de homens destros na guerra, que saíam à guerra em tropas, segundo o número da resenha feita por mão de Jeiel, o escrivão, e Maaséias, oficial, sob a direção de Hananias, um dos capitães do rei. 12- O total dos chefes dos pais, homens valentes, era de dois mil e seiscentos. 13- E debaixo das suas ordens havia um exército guerreiro de trezentos e sete mil e quinhentos homens, que faziam a guerra com força belicosa, para ajudar o rei contra os inimigos. 14- E preparou Uzias, para todo o exército, escudos, lanças, capacetes, couraças e arcos, e até fundas para atirar pedras. 15- Também fez em Jerusalém máquinas da invenção de engenheiros, que estivessem nas torres e nos cantos, para atirarem flechas e grandes pedras; e propagou a sua fama até muito longe; porque foi maravilhosamente ajudado, até que se fortificou. 16- Mas, havendo-se já fortificado, exaltou-se o seu coração até se corromper; e transgrediu contra o SENHOR seu Deus, porque entrou no templo do SENHOR para queimar incenso no altar do incenso. 17- Porém o sacerdote Azarias entrou após ele, e com ele oitenta sacerdotes do SENHOR, homens valentes" (II Crôn 26:3-17)

Dwight L. Moody disse, “Quando um homem acredita ter força suficiente, e é autoconfiante, pode-se esperar por sua ruína. Talvez anos se passem antes que ela aconteça mas o processo já terá iniciado”. Isto era verdade com relação ao rei Uzias.

Tudo parecia estar bem em sua vida. Ele era obediente, submisso à orientação espiritual e buscava o direcionamento de Deus durante a maior parte de seu reinado. Enquanto permanecia pedindo ajuda a Deus, era recompensado com grande êxito – comprovado por seus muitos feitos (2 Crônicas 26:3-15).

A vida de Uzias era repleta de grande poder e sucesso, até que este mesmo sucesso o cegou. Seu orgulho era evidente em vários aspectos: ele desafiou a santidade de Deus ao atravessar o templo e insurgir-se contra um cargo que jamais ocuparia (2 Crônicas 26:16); considerava o poder de Deus algo bom, mas não plenamente necessário para sua liderança (2 Crônicas 26:18,19); ignorou a oportunidade de arrepender-se; e ignorou, ao invés de temer, as consequências de seu pecado (2 Crônicas 26:18,19).

Quando Deus nos concede sucesso em qualquer área de nossas vidas, não nos esqueçamos da fonte de nosso sucesso. Escolhamos a humildade, pois Deus dá graça aos humildes.

REFLEXÃO: "E resistiram ao rei Uzias, e lhe disseram: A ti, Uzias, não compete queimar incenso perante o SENHOR, mas aos sacerdotes, filhos de Arão, que são consagrados para queimar incenso; sai do santuário, porque transgrediste; e não será isto para honra tua da parte do SENHOR Deus. 19- Então Uzias se indignou; e tinha o incensário na sua mão para queimar incenso. Indignando-se ele, pois, contra os sacerdotes, a lepra lhe saiu à testa perante os sacerdotes, na casa do SENHOR, junto ao altar do incenso" (II Crôn 26:18-19)

Fonte: Nosso Andar Diário

O batismo do meu pai

(adaptado do texto do Pr Amilton Menezes)

“E esta é a confiança que temos nele, que se pedirmos alguma coisa segundo a sua vontade, ele nos ouve. e, se sabemos que nos ouve em tudo o que pedimos, sabemos que já alcançamos as coisas que lhe temos pedido” (I João 5:14-15)

Eu tinha uns 7 anos de idade quando meu pai foi embora. De casa e da igreja. Ficamos minha mãe e dois irmãos menores. Em casa e na igreja. Foi traumático para todos nós. Minha mãe e cada um dos filhos fomos impactados emocionalmente de diferentes maneiras. No meu caso, o mais velho dos meninos, o golpe foi extremamente duro. Enfiei-me dentro de um buraco de solidão, medo e, sobretudo, timidez. Ainda carrego alguns traços visíveis dessa sombra implacável que me persegue.

Meu pai afundou na lama do pecado. Perdeu os bens materiais e a promissora carreira financeira. Do outro lado, ficamos quase sem nada. Era remota a possibilidade de que um dia a história teria um final feliz. Os dias, meses e anos passaram inexoravelmente. Restavam a oração e a fé. Durante, praticamente, 40 anos!

Há 14 anos meu pai machucou as costas, numa queda. O médico disse que deveria ser operado na coluna. E foi. Da forma errada. Ficou paralítico da cintura para baixo. A dor e a reflexão sobre o que fizera e vivera até então o levaram à Bíblia. Livro esse que ele pediu-me após o acidente. Junto, uma promessa que eu pensei ser fruto apenas da situação difícil que estava enfrentando: “Um dia você será pastor ordenado e fará meu batismo”.

Os anos passaram. Leu, a partir daí, 12 vezes a Bíblia Sagrada. De capa a capa. Naquela primeira e em outra que, anos depois, a substituiu. Nesse último sábado, dia 4 de setembro, entreguei a terceira bíblia. Após o seu batismo.

Confesso que foi um momento aguardado com muita ansiedade e emoção. O sábado começou com chuva e frio, bem característicos do Rio Grande do Sul, nessa época do ano. A possibilidade do adiamento para as férias, no próximo verão, era a alternativa mais convidativa. O sol, porém, à tarde, mostrou seu brilho, diminuindo um pouco o frio, mas não a preocupação de batizar alguém – o próprio pai – dentro de um tanque com águas mornas, mas em cima de uma cadeira. Diferentemente do convencional.

“Você pregou o sermão da sua vida”, disse-me alguém, referindo-se a mensagem anterior ao batismo. Falei sobre o filho pródigo, de Lucas 15. Perdeu tudo e também afundou-se na lama do pecado. Dediquei parte da mensagem para falar do irmão mais velho do filho pródigo. Também perdido. Dentro de casa e dentro da igreja! E que recebe com indiferença e amargura o retorno do irmão pecador. Atitudes que, infelizmente, ainda permeiam os círculos cristãos, hoje em dia. Porém, não poderia deixar de falar do principal personagem da parábola, que, segundo minha ótica, é o pai amoroso de ambos os filhos perdidos. Da graça paterna que resgata, transforma e perdoa incondicionalmente!

Foram três os batizados naquela tarde. Meu pai e um primo, com problemas de visão e audição, e Rose, que vive com meu pai e cuida dele. Com a ajuda de um parente e de meu mano do meio, Carlos Roberto, meu pai foi colocado no tanque e, acomodado em uma cadeira, tive a alegria e a emoção única de batizá-lo.

Ali, e em todos os lugares onde conto minha história, tenho visto pessoas motivadas a continuarem perseverantes na oração por seus queridos. Nada é impossível, caro leitor. Ninguém vai tão longe que não possa ser alcançado (se quiser) pela graça maravilhosa de Deus. Acredite nisso! Nunca deixe de orar por seu filho, filha, pai, mãe, marido, esposa, familiar ou amigo. O Pai do Céu é o maior interessado em tê-los de volta. Do jeito dEle. Na hora dEle.

Fonte: Novo Tempo (Amilton Menezes)
.
REFLEXÃO: “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura. Quem crer e for batizado será salvo; mas quem não crer será condenado” (Marcos 16:15-16)


Ele se inclinou para mim

“Esperei confiantemente pelo Senhor; ele se inclinou para mim e me ouviu quando clamei por Socorro” (Salmo 40.1)

Inclinar-se é uma postura que revela respeito ou misericórdia. Olhando do ponto de vista do servo para com o seu senhor; o inclinar-se revela respeito, porém olhando do ponto de vista do senhor para com o seu servo; revela misericórdia. É exatamente isso o que o salmista está afirmando.

O que temos aqui é um miserável moribundo, atolado no charco da sua própria miséria, abandonado, largado às favas, sem amigos, sem a mínima condição de mudar o seu estado deplorável de sofrimento. O que temos aqui é um homem prestes a perecer, chafurdado num poço de lama até o pescoço. O salmista revela aqui o seu estado de total impotência, onde a única possibilidade de reversão da sua situação era a intervenção de um ser maior; do próprio Deus.

A parábola do Bom Samaritano relata uma histó ria semelhante. Ela conta que um homem caiu nas mãos de salteadores e depois de ter sido roubado, foi espancado, ficando semimorto. Passaram por ali duas pessoas; um sacerdote e um levita, porém os dois passaram de largo e não fizeram caso da situação daquele homem.

Também passava por aquele caminho um samaritano, aproximou-se, se inclinou para ele, curou as feridas daquele homem e o colocou sobre o seu próprio animal, depois o conduziu até uma hospedaria. O samaritano demonstrou muito amor para com aquele homem desconhecido e moribundo.

Penso que o verdadeiro Bom Samaritano é Jesus Cristo, pois ele também se inclinou para nós. Jesus se encarnou, tornou-se como um de nós, assumiu as nossas dores, levou sobre si as nossas enfermidades. Ele veio para nos tirar do nosso estado de perdição e de miséria em que nos encontrávamos.

Deus sempre se mostrou disposto a se inclinar para nós. Toda a iniciativa no sentido de mudar a história do ser humano sempre foi de Deus. A Bíblia é bem clara ao afirmar que o homem no estado em que estava jamais poderia por si mesmo buscar a Deus.

Paulo escreveu: “como está escrito: Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer” (Romanos 3.10-12). Já que nós não podíamos buscá-lo, foi ele quem tomou a iniciativa e veio até nós.

Paulo afirmou ainda: “pois, ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus; antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo, tornado-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz” (Filipenses 2.6-8).

Esse foi o preço que Jesus pagou para resgatar o ser humano do seu estado de miséria em que vivia. O preço do seu amor foi incondicional, foi totalmente sacrificial. Tirar-nos do nosso posso de perdição, do nosso tremedal de lama não foi uma coisa fácil para Jesus, ele teve que dar a sua própria vida para que isso pudesse acontecer.

O apóstolo Pedro afirmou: “sabendo que não foi mediante cousas corruptíveis, como prata ou ouro, que fostes resgatados do fútil procedimento que vossos pais vos legaram, mas pelo precioso sangue, como de cordeiro sem defeito e sem mácula, o sangue de Cristo”. Que prova maravilhosa de amor é esta. Um Deus que se inclinou para resgatar os pecadores, que veio para dar-lhes vida eterna e abundante. Que essas verdades sejam avivadas em nossa mente ao iniciarmos um novo ano.

REFLEXÃO: “Tende em vós aquele sentimento que houve também em Cristo Jesus” (Filipenses 2:5)

Anúncio moderno do nascimento de Jesus

"Eis aqui vos trago boa nova de grande alegria que o será para todo o povo; é que hoje vos nasceu na cidade de Davi o Salvador, que é Cristo o Senhor" (Lucas 2:10 e 11)

Por mais que os fariseus modernos tentem satanizar o Natal, não possuo a menor dúvida de que não existe momento melhor para anunciar que o Verbo virou gente e andou entre nós. Veja abaixo um líndo e criativo video que proclama de forma emocionante de que um Menino nos nasceu, um Filho se nos Deus e o governo está sobre os seus ombros, Cristo o Rei dos reis.

Renato Vargens

Fonte: Blog do Pr Renato

REFLEXÃO: “Sede fortes e corajosos; não temais, nem vos atemorizeis diante deles; porque o Senhor vosso Deus é quem vai convosco. Não vos deixará, nem vos desamparará” (Deuteronômio 31:6)



A vida de Helen Ewan

(adaptado do texto de James A. Stewart)

“Revestí-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de coração compassivo, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade” (Colossenses 3:12)

Na época da minha conversão, uma moça de mais ou menos a minha idade se converteu também. Seu nome era Helen Ewan. Era apenas um palitinho de uma moça, mas logo no início de sua nova vida com Cristo, ela o coroou como Senhor absoluto e foi cheia do Espírito Santo.
Ela aceitou o convite do seu Senhor de “beber abundantemente”. As torrentes de água viva simplesmente começaram a fluir da vida de Helen.

Depois de sua conversão com a idade de quatorze anos, toda a personalidade de Helen ficou radiante com a glória do Senhor, embora tivesse uma vida tão comum. Cheguei a me questionar muitas vezes como ela conseguia suportar tanta glória no seu frágil vaso de barro.

Muitos testificavam que apenas seu sorriso, ou seu feliz “Bom dia, Deus te abençoe” trazia uma influência divina que permanecia neles durante o resto do dia.

Na sua oração, Helen era um exemplo tão grande a todos nós. Ela se levantava por volta das cinco da manhã para ter comunhão com seu senhor. Ela não acendia o fogo no quarto gelado, nem procurava se fazer confortável...por sentir que ficaria mais alerta no frio. E além disso, as pessoas por que orava...não tinham esse conforto.

Testemunhei em muitas noites geladas de inverno escocês a Helen abraçada com uma pobre prostituta embriagada, falando com ela de Jesus e de seu amor. Em outras ocasiões, falava com homens beberrões, procurando leva-los ao seu Salvador.

Desta forma, mais uma alma sobrecarregada com os cuidados desta vida, e encurvada com peso do pecado e do desespero era levada aos pés do Salvador. Isto também acontecia na Universidade, onde estudava, conduzindo muitos alunos a Jesus. Comenta-se que um grupo de estudantes não convertidos podiam estar rindo e contando piadas sujas, quando de repente alguém dizia: “ Psiu!Psiu! Lá vem ela! Fiquem quietos!” Ela passava por eles deixando, inconscientemente, o poder e o temor da presença de Deus atrás dela.

Helen carregava a fragrância de Cristo consigo, e manifestava o poder do Espírito. Seu corpo era um templo ambulante do Espírito Santo. Assim, aonde quer que fosse o poder de Deus se manifestava. Quando entrava em qualquer culto, imediatamente a atmosfera ficava carregada com o poder sobrenatural. Mesmo que se sentasse no último banco, todos sabiam que ela havia chegado por causa do tremendo senso da presença de Deus que se manifestava em nosso meio.

Amava a Deus e por isso tornou-se uma filha de Deus profundamente instruída. Seus pés estavam firmemente posicionados na rocha sólida das Escrituras Sagradas, ainda assim havia lugar para o humor puro e entusiasmo pela vida.

Preparava-se para o serviço missionário quando Deus, na sua sabedoria e amor, chamou-a para seu lar [descansou no Senhor] com a idade de vinte de dois anos. De repente adoeceu e com a mesma rapidez foi chamada para o Senhor. Toda a Escócia chorou. Em postos missionários longínquos lamentavam-se: "Ah, quem os sustentaria tão fielmente diante do Trono da Graça agora? Quem entraria na brecha para tomar seu lugar?"

Mesmo muitos anos depois, só mencionar o nome dela tinha um encanto; uma força irresistível que nos levava aos joelhos para clamar: “ Oh, Deus levanta outros como Helen Ewan. Oh Deus, faze ante de mim uma pessoa melhor para tua glória.”

REFLEXÃO: “E tudo quanto fizerdes por palavras ou por obras, fazei-o em nome do Senhor Jesus, dando por ele graças a Deus Pai” (Colossenses 3:17)

Fonte: Igreja Poá



O adeus de Ernie

(adaptado do texto de J. David Branon)

"...porque eu sei em quem tenho crido, e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele dia" (I Timóteo 1:12)

Certo colunista entrevistou Ernie Harwell no dia 30 de setembro de 2009, um dos homens mais queridos nos esportes americanos. Harwell passou mais de 50 anos como locutor de rádio, especialmente para uma equipe de basquete. A sua bondade, humildade e simpatia como locutor deixaram uma marca indelével em todos que o conheceram.

Ao ser entrevistado, Ernie tinha 91 anos e havia acabado de anunciar que tinha um câncer incurável. Contudo, enquanto Ernie falava, não queria que as pessoas sentissem pena dele. Ao invés disso, queria falar sobre a noite, em 1961, em que confiou em Jesus Cristo como Salvador. E, numa das últimas oportunidades que este famoso locutor teria para falar publicamente, ele concluiu: “Não sei quanto tempo ainda me resta… [mas] eu posso ter certeza… em quais braços me encontrarei, e que coisa maravilhosa será o céu”.

Ernie aguardava algo especial! Ele sabia que Deus tinha lhe preparado um glorioso lar eterno portanto, podia encarar a morte e louvar a Deus. Essa é a sua confiança? Você sabia [que naquele dia] Ele estará te aguardando de braços abertos para levá-lo ao seu novo lar? No final, é isso o que realmente importa. Se você ainda não confiou sua vida ao Mestre, faça como Ernie, se coloque nos braços do Salvador Jesus!

REFLEXÕES: "Na casa de meu Pai há muitas moradas; se não fosse assim, eu vo-lo teria dito; vou preparar-vos lugar e, se eu for e vos preparar lugar, virei outra vez, e vos tomarei para mim mesmo, para que onde eu estiver estejais vós também" (João 14:2-3)

"Porque para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro mas, se o viver na carne resultar para mim em fruto do meu trabalho, não sei então o que hei de escolher. Mas de ambos os lados estou em aperto, tendo desejo de partir e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor" (Filipenses 1:21-23)


Violência nos últimos dias (Espírito de Profecia)

"Não somos agora capazes de descrever acuradamente as cenas a serem representadas em nosso mundo no futuro; isto, porém, sabemos: que este é um tempo em que precisamos velar em oração; pois o grande dia do Senhor está às portas". Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 35.

Atos de Violência

Nos dias de Noé a esmagadora maioria se opunha à verdade, e se apaixonara por um conjunto de falsidades. A Terra estava cheia de violência. A guerra, o crime e o homicídio eram a ordem do dia. Assim será também antes da segunda vinda de Cristo. The Seventh-day Adventist Bible Commentary, vol. 1, pág. 1.090.

Mais e mais claro está se tornando que os habitantes do mundo não estão em harmonia com Deus. Nenhuma teoria científica pode explicar a firme marcha de obreiros iníquos sob o comando de Satanás. Em toda multidão, anjos ímpios estão em operação, instando homens a cometer atos de violência. …

A perversidade e crueldade dos homens alcançarão tal atitude que Deus Se revelará em Sua majestade. Muito em breve a impiedade do mundo terá atingido seu limite e, como nos dias de Noé, Deus derramará os Seus juízos. Olhando Para o Alto (Meditações Matinais, 1983), pág. 328.

Os terríveis relatos que ouvimos de homicídios e roubos, de acidentes ferroviários e atos de violência, declaram que o fim de todas as coisas está próximo. Agora, agora mesmo, precisamos estar nos preparando para a segunda vinda do Senhor. Carta 308, 1907.

Foi-me mostrado que o Espírito do Senhor está-Se retirando da Terra. O poder mantenedor de Deus logo será recusado a todos os que continuam desrespeitando os Seus mandamentos. Os relatos de transações fraudulentas, homicídios e crimes de toda a espécie chegam até nós diariamente. A iniqüidade está-se tornando uma coisa tão comum que não ofende mais as suscetibilidades como em tempos passados. Carta 258, 1907.

Em todo o mundo, as cidades estão se tornando viveiros de vícios. Por toda parte se vê e ouve o que é mau, e encontram-se estimulantes à sensualidade e ao desregramento. Avoluma-se incessantemente a onda da corrupção e do crime. Cada dia oferece um registro de violência: roubos, assassínios, suicídios e crimes inomináveis.

Tempos Turbulentos que Ocorrerão em Breve

O tempo de angústia, que há de aumentar até o fim, está muito próximo. Não temos tempo a perder. O mundo está agitado com o espírito de guerra. As profecias do capítulo onze de Daniel quase atingiram o seu cumprimento final. Review and Herald, 24 de novembro de 1904.

O tempo de angústia – angústia qual nunca houve, desde que houve nação (Dan. 12:1) – está precisamente sobre nós, e somos semelhantes às virgens adormecidas. Devemos acordar e pedir que o Senhor Jesus ponha debaixo de nós os Seus braços eternos e nos conduza durante o tempo de provação à nossa frente. Manuscript Releases, vol. 3, pág. 305.

O mundo está-se tornando cada vez mais iníquo. Em breve surgirá grande perturbação entre as nações – perturbação que não cessará até que Jesus venha. Review and Herald, 11 de fevereiro de 1904.

Estamos mesmo no limiar do tempo de angústia, e acham-se diante de nós perplexidades com que dificilmente sonhamos. Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 306.

Estamos no limiar da crise dos séculos. Em rápida sucessão os juízos de Deus se seguirão uns aos outros – fogo, inundações e terremotos, com guerras e derramamento de sangue. Profetas e Reis, pág. 278.

Há perante nós tempos tempestuosos, mas não pronunciemos uma só palavra de incredulidade ou desânimo. Serviço Cristão, pág. 136.

"Na grande obra de finalização nos defrontaremos com perplexidades que não saberemos contornar, mas não nos esqueçamos de que as três grandes potestades do Céu estão atuando, que a divina mão está posta ao leme, e Deus fará cumprir os Seus desígnios". Evangelismo, pág. 65.

Fonte: Advir Blog


Como posso reconhecer a voz de Deus?

“Ora, se algum de vós tem falta de sabedoria, peça-a a Deus, que a todos dá liberalmente e não censura, e ser-lhe-á dada. Peça-a, porém, com fé, não duvidando; pois aquele que duvida é semelhante à onda do mar, que é sublevada e agitada pelo vento. Não pense tal homem que receberá do Senhor alguma coisa, homem vacilante que é, e inconstante em todos os seus caminhos” (Tiago 1:5-8)

Esta pergunta já foi feita por inúmeras pessoas através dos tempos. Samuel ouviu a voz de Deus, mas não a reconheceu até que foi instruído por Eli (I Samuel 3:1-10). Gideão teve uma revelação física de Deus e mesmo assim duvidou do que tinha ouvido, a ponto de pedir um sinal, não uma vez, mas três vezes (Juízes capítulos 6, 17-22, 36-40)! Quando buscamos ouvir a voz de Deus, como podemos saber se é Ele mesmo quem está falando? Em primeiro lugar, temos algo que Gideão e Samuel não tinham: temos a Bíblia completa, a palavra de Deus inspirada para ler, estudar e meditar. “Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça; Para que o homem de Deus seja perfeito, e perfeitamente instruído para toda a boa obra” (II Timóteo 3:16-17). Você tem uma pergunta a respeito de determinado assunto ou uma decisão a tomar em sua vida? Veja o que a Bíblia tem a dizer sobre isto. Deus jamais guiará ou direcionará você de forma oposta ao que Ele ensinou ou prometeu em Sua Palavra (Tito 1:2).

Em segundo lugar, para ouvirmos a voz de Deus devemos reconhecê-la. Disse Jesus: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, e eu conheço-as, e elas me seguem” (João 10:27). Posso pessoalmente me identificar com este verso, exceto que os animais em questão são bois e vacas. Meu sogro tem um pequeno rancho. Sempre que vamos visitá-lo, posso contar que, pelo menos uma vez por dia, vamos sair com ele para conferir o gado. Meu sogro sai da caminhonete, fala umas poucas palavras mansamente, e logo em seguida a caminhonete está cercada de vacas, que ansiosamente esperam um bocado de feno. Mas se eu, igualmente, abrir a porta do meu lado da caminhonete, haverá gado espalhado de um lado a outro do pasto. Então, qual a diferença? O gado está com meu sogro pelo menos uma vez, e às vezes duas ou três vezes ao dia. Por causa de seus encontros diários com aquele que os alimenta e deles cuida, os animais se sentem confortáveis com ele, e imediatamente reconhecem um estranho entre eles. Se devemos conhecer a voz de Deus, devemos passar tempo com Ele todos os dias.

Certifique-se de passar tempo proveitoso, todos os dias, em oração, estudo da Bíblia e meditação em Sua Palavra. Quanto mais tempo você passar intimamente com Deus e Sua palavra, mais fácil será reconhecer Sua voz e liderança em sua vida. Os empregados de um banco são treinados para reconhecer falsificações, pois estudam tão de perto as notas verdadeiras que se torna fácil reconhecer uma nota falsa. Devemos estar tão familiarizados com a Palavra de Deus, que saiu de Sua boca, que quando Ele falar a nós ou nos guiar, é claro se tratar de Deus. Deus fala a nós de forma que possamos entender a verdade. Apesar de poder falar e realmente falar audivelmente às pessoas, Ele fala principalmente através de Sua Palavra; mas às vezes através do Espírito Santo a nossas consciências, através de circunstâncias e através de outras pessoas. Ao aplicarmos o que ouvimos às verdades da Escritura, podemos aprender a reconhecer Sua voz.

REFLEXÃO: “Assim acharás favor e bom entendimento à vista de Deus e dos homens. Confia no Senhor de todo o teu coração, e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas” (Provérbios 3:4-6)

Fonte: www.gotquestions.org

Um grande missionário - Willian Carey

“Mas Cristo é como Filho sobre a casa de Deus; a qual casa somos nós, se tão-somente conservarmos firmes até o fim a nossa confiança e a glória da esperança” (Hebreus 3:6)

Introdução

Filho de Edmundo e Elizabeth Carey, William Carey nasceu em uma humilde cabana em Agosto de 1761, na pequena vila de Paulerspury, em Northamptonshire, na Inglaterra. Em Piddington, aos 14 anos, William aprendeu a arte de sapateiro.

Apesar de nascer em um lar anglicano, sua primeira identificação com a fé genuína, foi através de seu companheiro de trabalho, John Warr, filho de um desertor da Igreja Estatal. Em 1779, aos 18 anos, nasceu de novo, quando ainda estava identificado com a igreja oficial da Inglaterra, e uniu-se a uma pequena igreja batista. Logo começou a se preparar para pregar. Saturou-se de conhecimentos tornando-se poliglota, dominando o latim, grego, hebraico, italiano, francês e holandês, além de diversas ciências. Assim, aos poucos, entendeu que o mundo era bem maior do que as Ilhas Britânicas e sentiu, como todo o crente verdadeiro deve sentir, a perdição de uma humanidade sem um Salvador.

Em Junho de 1781, casou-se com a jovem Dorothy Placket, da qual teve cinco filhos. No ano de 1775, foi atingido pelo avivamento trazido pelas mensagens de John Wesley e George Whitefield. Apesar de ter sido batizado quando criança, William Carey sentiu a necessidade de confessar sua fé publicamente. Sendo assim, foi batizado nas águas no dia 5 de Outubro de 1783, pelo pastor John Ryland. Em 1787, foi consagrado e começou a pregar sobre a necessidade missionária no mundo, e não só na Inglaterra. Como os membros de sua congregação eram pobres, Carey teve por necessidade continuar trabalhando para ganhar o seu sustento

Seus Primeiros Desafios

Na sua pequena oficina pendurou um mapa mundial feito pelas suas próprias mãos. Neste mapa, ele incluíra todas as informações disponíveis: população, flora, fauna, características dos indígenas, etc. Enquanto trabalhava, olhava para ele, orava, sonhava e agia! Foi assim que sentiu mais e mais a chamada de Deus em sua vida. A denominação que Carey pertencia achava-se em grande decadência espiritual. Quando quis introduzir o assunto de missões numa sessão de ministros, foi repreendido pelo veneravél presidente John Ryland, que lhe disse: "Jovem assente-se. Quando Deus resolver converter os pagãos, fa-lo-á sem a sua e a minha ajuda." Mas Carey continuou a sua propaganda pró-missões estrangeiras, e tomando Isaías 54.2 como texto, pregava sobre o tema: "Esperai grandes coisas de Deus; praticai proezas para Deus."

Sua Chamada

O resultado foi que um grupo de doze pastores batistas, reunidos na casa da Ir. Wallis, formaram a Sociedade Missionária Batista, no dia 2 de Outubro de 1792. Carey se ofereceu para ser o primeiro missionário. Através do testemunho do Dr. Thomas, um missionário e médico que trabalhou por vários anos em Bengali, na Índia, William Carey recebeu confirmação de sua chamada no dia 10 de Janeiro de 1793

Apesar de Carey ter certeza de sua chamada, sua esposa recusou deixar a Inglaterra. Isto muito doeu em seu coração. Foi decidido, no entanto, que seu filho mais velho, Felix, o acompanharia à India. Além deste fator, outro problema que parecia insolúvel, era a proibição de qualquer missionário na Índia. Sob tais circunstâncias era inútil pedir licença para entrar, mas mesmo assim, conseguiram embarcar sem o documento no dia 4 de Abril de 1793. Ao esperar na ilha de Wight por outro navio que os levaria à Índia, o comandante recusou levá-los sem a permissão necessária. Com lágrimas nos olhos e o coração apertado, William Carey, viu o navio partir e ele ficar. Sua jornada missionária para Índia parecia terminar ali. Porém, Deus tinha todas as coisas sobre controle.

Ao regressar à Londres, a sociedade missionária conseguiu granjear dinheiro e comprar as passagens em um navio dinamarquês. Uma vez mais, Carey rogou à sua esposa que o acompanhasse. Ela ainda persestia na recusa e ao despedir-se pela segunda vez disse: "Se eu possuisse o mundo inteiro, daria alegremente tudo pelo privilégio de levar-te e os nossos filhos comigo; mas o sentido do meu dever sobrepuja todas as outras considerações. Não posso voltar para trás sem incorrer em culpa a minha alma."

Ao se preparar para partir, um dos amigos que iria viajar com Carey, Dr. Thomas, voltou e conversou com Dorothy, esposa de William Carey, e milagrosamente ela decidiu acompanhá-lo. Que alegria não foi para ele ver sua esposa e filhos com as malas prontas a lhe acompanhar. Agora ele compreendia a razão de não ter viajado no primeiro navio.

Sua Partida Para Índia

Deus comoveu o coração do comandante do navio que permitiu a toda família viajar sem pagar as passagens. Finalmente, no dia 13 de Junho de 1793, a bordo do navio Kron Princesa Maria, William Carey deixou a Inglaterra e nunca mais voltou, partindo para a Índia com sua família, onde, em condições dificílimas e de oposição, trabalhou durante 41 anos. Durante sua viagem, aprendeu suficiente o Bengali, e ao desembarcar, já comunicava com o povo.

William Carey não foi dotado de inteligência superior e nem de qualquer dom que deslumbrasse os homens. Entretanto, em seu caráter de persistir, com espírito indômito e inconquistável, até completar tudo quanto inciava, é que vemos o segredo do maravilhoso êxito da sua vida. Apesar de não haver recebido educação em sua mocidade, Carey chegou a ser um dos homens mais eruditos do mundo, no que diz respeito à lingua sânscrito e a outras línguas orientais. Suas gramáticas e dicionários são usados ainda hoje.

Suas Conquistas

Dois missionários se juntaram à William Carey em 1799, William Ward e Joshua Marshman. Juntos eles fundaram 26 igrejas, 126 escolas com 10.000 alunos, traduziram as Escrituras em 44 línguas, produziram gramáticas e dicionários, organizaram a primeira missão médica na Índia, seminários, escola para meninas, e o jornal na língua Bengali. Além disso, William Carey foi responsável pela erradicação do costume "suttee", o qual queimava a viúva juntamente com o corpo do defunto numa fogueira; vários experimentos agriculturais; fundação da Sociedade de Agricultura e Horticultura na Índia em 1820; primeira imprensa, fábrica de papel e motor à vapor na Índia; e a tradução da Bíblia em Sânscrito, Bengali, Marati, Telegu e nos idiomas dos Siques. Em 1800, William Carey fez o batismo do primeiro hindu convertido ao Evangelho.

Calcula-se que William Carey traduziu a Bíblia para a terça parte dos habitantes do mundo. Alguns missionários, em 1855, ao apresentarem o Evangelho no Afeganistão, acharam que a única versão que esse povo entendia era o Pushtoo, feita em Sarampore por Carey.

Durante mais de trinta anos, William Carey foi professor de línguas orientais no Colégio de Fort Williams. Fundou, também, o Serampore College para ensinar os obreiros. Sob a sua direção, o colégio prosperou, preenchendo um grande vácuo na evangelização do país. Os seus esforços, inspiraram a fundação de outras missões, dentre elas: a Associação Missionária de Londres, em 1795; a Associação Missionária da Holanda, em 1797; a Associação Missionária Americana, em 1810; e a União Missionária Batista Americana, em 1814.

Sua Família

Com Dorothy teve 7 crianças (5 meninos e 2 meninas). Em 1807 sua esposa Dorothy morre de insanidade. No ano seguinte casa-se com Charlotte Rumohr . Charlotte morre em 1921. Em 1822, então com 61 anos, casa-se pela terceira vez com Grace Hughes.

O Adeus da Índia

Na manhã de 9 de Junho de 1834, a Índia disse adeus ao grande Pai das Missões, e os Céus disseram bem-vindo a um servo fiel! Carey morreu com 73 anos, respeitado por todo o mundo, como o pai de um grande movimento missionário. Quando chegou à Índia, os ingleses negaram-lhe permissão para desembarcar. Ao morrer, porém, o governo mandou içar as bandeiras a meia haste em honra de um herói que fizera mais para a Índia do que todos os generais britânicos. Grande foi a contribuição de William Carey para o Reino de Deus, e grande será o seu galardão.

Bibliografia:
Livros: > E até aos confins da Terra: uma história ilustrada do cristianismo – volume 9: A era dos novos horizontes, de Justo L. Gonzalez. > O Rasto de Sangue, de J M Carrol

Fonte: Missões e Adoração

REFLEXÃO: “Pois nós, que vivemos, estamos sempre entregues à morte por amor de Jesus, para que também a vida de Jesus se manifeste em nossa carne mortal. De modo que em nós opera a morte, mas em vós a vida” (II Coríntios 4:11-12)
.
Compre o filme desta história aqui

Sinais da volta de Jesus

(por Marcio)

Porque necessitais de paciência, para que, depois de haverdes feito a vontade de Deus, possais alcançar a promessa. Porque ainda um pouquinho de tempo, E o que há de vir virá, e não tardará." (Hebreus 10:36,37)

É verdade que vivemos tempos "trabalhosos". O mundo carece de paixão e acima de tudo de amor. "Parece-me" que o homem cada dia mais cheio de si, se empobrece de sentimento e de compaixão para com os outros.

Infelizmente muitos pensam assim também do nosso Deus, comparando-O a homens frios e de pouco sentimento que são capazes de qualquer coisa para alcançar seus objetivos e anseios egoístas. Ninguém mais tem dúvida que este planeta passa por um momento delicado e que os recursos naturais se esgotam numa velocidade alucinante a cada minuto.

Mas onde entra Deus nesta história? Muitos afirmam que é o próprio Deus criador de todas as coisas que se jubila e ao mesmo tempo despreza este mundo criado pelas sua própria vontade, como se o objetivo dEle fosse "a morte e destruição". Será isto verdade? Certamente não. A falta de estudo da Palavra deste mesmo Soberano é que confunde os mais ignorantes, ou melhor, confunde estes que ESCOLHERAM ser ignorantes da maravilhosa carta de amor dAquele que se deixa chamar de "Pai" (Lucas 11:13). Deus jamais DETERMINOU como seria o futuro. Ele apenas nos REVELOU por amor como tudo seria por conhecer todas as coisas, em especial o coração do homem deste nosso tempo. Por isso, muitas profecias se cumprem e a certeza de que a Bíblia jamais erra, enche nossos corações de esperança. Importante notar que quando Deus nos revelou o "sinal" da "fome" (Mt 24:7), Ele estava se referindo também à sede, já que a água também faz parte da alimentação. Aliás, este é o destaque que quero dar a este texto - a água. Importante notar que várias outras questões relacionadas à profecia (pestes, fome, guerras e etc.) podem ser causadas também pela falta de água. Ela é o componente principal da nossa vida, já que nosso corpo é constituído de até 75% dela. Nos lembremos também, que os seres humanos conseguem ficar até 50 dias sem alimento, enquanto que apenas 4 dias (na melhor das hipóteses) sem água. Não tenho dúvidas, que aqueles nossos irmãos sobreviventes do Haiti que ficaram soterrados nos escombros por mais de dez dias por ocasião do terremoto, só estão vivos hoje pela graça e misericórdia de Deus; suas vidas foram preservadas milagrosamente. Um homem que ficou soterrado durante 30 dias, disse ter recebido "água de álguem" enquanto esteve lá... Glória a Deus! Veja aqui.

Assista ao vídeo abaixo, que apesar de ser secular, nos mostra como as horas deste mundo de fato estão no fim. Não há outro jeito... a solução é a volta de Jesus. Afinal, quem Ele virá buscar se o planeta está sendo destruído ininterruptamente? Vamos pensar juntos: a maioria dos estudiosos da Bíblia Sagrada chegam a mesma conclusão de que este planeta possui mais ou menos 6000 anos. Muitos cientistas renomados já enviaram o alerta de que mais 100 anos de existência seriam otimistas demais para este mundo. Outros confirmam que daqui a 40 anos a agricultura estará quase que completamente comprometida pela má qualidade do solo em decorrência de "n" fatores. Outros ainda confirmam que a água adequada para consumo estará excassa daqui a apenas 20 anos... ou seja, por estes dados fazendo uma simples conta, é o suficiente para compreendermos que estamos na mais otimista das contas vivendo os últimos 1% da história deste mundo. Um por cento? Sim, 99% de história de pecado já se cumpriram e vivemos no tempo das "unhas do pé" (se assim posso dizer) da profecia da estátua de Nabucodonosor.

Que Deus nos abençoe, nos guarde e faça resplandecer sobre nós a Sua luz, na certeza de estarmos preparados a cada instante pela vinda Gloriosa e Majestosa do nosso Mestre e Senhor Jesus! Amém !!!!!

Veja o que diz a Encicloédia Wikipédia: "A escassez de água é um problema ambiental cujos impactos tendem a ser cada vez mais graves caso o manejo dos recursos hídricos não seja revisto pelos países. Atualmente, mais de um bilhão de pessoas já não têm acesso a água limpa suficiente para suprir suas necessidades básicas diárias. A pecuária, que por vezes contamina rios e lençóis freáticos, contribui de maneira decisiva para a escassez de água, uma vez que, de acordo com relatório publicado em 2003 pela FAO, para se produzir 1 kg de carne são consumidos cerca de 15.000 litros de água, enquanto são necessários apenas 1.300 litros para se produzir a mesma quantidade de grãos."

Leia aqui uma nóticia de 2007 pela Folha.com: Em 20 anos, faltará água para 60% do mundo, diz ONU

REFLEXÃO: "Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá fomes, e pestes, e terremotos, em vários lugares. Mas todas estas coisas são o princípio de dores" (Mateus 24:7,8)

Viagem ao Sobrenatural

“Quando entrares na terra que o Senhor teu Deus te dá, não aprenderás a fazer conforme as abominações daqueles povos. Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro, nem encantador, nem quem consulte um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos; pois todo aquele que faz estas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti. Perfeito serás para com o Senhor teu Deus” (Deuteronômio 18:9-13)

Testemunho Viagem ao Sobrenatural de Roger Morneau. As experiências e recordações da infância e da guerra haviam levado Roger Morneau para longe de Deus de tal maneira, que ele agora O odiava. Depois da guerra, Roger foi levado, através de um amigo, a adorar demônios. Então, ele descobriu as boas novas de um Deus amoroso, e sentiu o desejo de cortar os laços de adoração aos espíritos.

Aqui Roger Morneau narra sua própria história de como o socorro divino o livrou do terrível mundo do satanismo.

Roger J. Morneau faleceu em 22 de setembro de 1998, aos 73 anos de idade.

Assista ao testemunho abaixo.

Obs.: Após a reprodução da primeira parte, as outras serão reproduzidas automaticamente por meio de uma lista de reprodução.


Para realizar os downloads dos vídeos acesse o link: Viagem ao Sobrenatural

Para realizar o download do livro (PDF com imagens) acesse o link: Viagem ao Sobrenatural

REFLEXÃO: “Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para poderdes permanecer firmes contra as ciladas do Diabo” (Efésios 6:11)

Fonte: A Voz do Terceiro Anjo

Cristãos perseguidos

"Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o reino dos céus; Bem-aventurados sois vós, quando vos injuriarem e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós por minha causa" (Mateus 5:10,11)



REFLEXÃO: "Exultai e alegrai-vos, porque é grande o vosso galardão nos céus; porque assim perseguiram os profetas que foram antes de vós" (Mateus 5:12)

A importância da leitura

(John Wesley, em 17 de agosto de 1760 em carta a John Trembath)

“Ora, a quem ensinará ele o conhecimento? E a quem fará entender a mensagem? Aos desmamados, e aos arrancados dos seios? Pois é preceito sobre preceito, preceito sobre preceito; regra sobre regra, regra sobre regra; um pouco aqui, um pouco ali” (Isaías 28:9, 10)

"O que tem prejudicado a sua vida no passado e, lamento dizer, até hoje, é a sua negligência quanto à leitura. Negligência tal que, por sua vez, chega a prejudicar até o próprio desejo de ler.

Dificilmente me recordo de um pregador que leia tão pouco. Eis a razão porque seu talento em pregar não aumenta. Você continua pregando como pregava há sete anos; com emoção, porém sem profundidade. Falta variedade e conteúdo.

A leitura poderá preencher estas lacunas com meditação e oração diária. Você prejudica a si mesmo em omitir tal prática.

Desprezo à leitura impede alguém de ser um pregador maduro. Até para ser um cristão íntegro é mister a leitura adequada. Queira Deus que começasse logo!

Separe uma parte do dia para este exercício. Assim adquirirá o sabor por aquilo que faltava; o que parece monótono no início se tornará com o tempo um prazer.

Com ou sem disposição leia e ore diariamente. É para a sua própria vida; não existe outro caminho. Faltando isso será para sempre um pregador superficial."

REFLEXÃO: “Cuidai pois de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele adquiriu com seu próprio sangue” (Atos 20:28)

Fonte: Púlpito Cristão

Onde estão, ó morte, as tuas pragas?

(por Marcio)

“Os teus mortos viverão, os seus corpos
ressuscitarão; despertai e exultai, vós que habitais no pó; porque o teu orvalho é orvalho de luz, e sobre a terra das sombras fá-lo-ás cair” (Isaías 26:19)

Hoje o dia não foi mais um daqueles comuns, definitivamente não. Como bem disse o amigo Willian, o diabo não pode mais exercer o seu mísero poder sobre esta especial filha de Cristo (foto), nossa querida irmã Yolanda. Hoje nós perdemos o privilégio da sua presença, perdemos a sua companhia, perdemos a sua voz... ela agora se mistura ao pó da terra e dorme nos braços amorosos do Senhor. Em compensação, o céu todo se alegra pela certeza de que "naquele dia" a "nuvem da alegria" estará ainda mais completa com a presença desta legítima filha de Deus, já incorruptível, imperecível. Como igreja, não temos dúvidas que seu nome está registrado nas páginas do Livro da Vida e que um novo nome escrito em uma pedrinha branca já está a esperá-la.

Ela foi uma daquelas filhas do Senhor fervorosas, que sempre exclamava com vontade uma palavra de louvor e gratidão guardada no coração. Sempre estava em todos os cultos e estudos. Sua vida? seu Deus, sua família, seus netos - sua Naomi. Verdadeira serva. Verdadeiro exemplo. Exemplo de dedicação, de abnegação, de intercessora, mãe e avó. Sua alegria era entoar louvores em nosso coral. Estava sempre em todos os ensaios, em todos os eventos.

Lembro do dia em que tirei esta foto. Nossa filhinha tinha ainda poucos dias e ela não obstante, pegou sua netinha, sua bíblia, sua condução e veio nos visitar. Presenteou nossa querida com uma boneca de porcelana linda e mais ainda nos presenteou com textos bíblicos e uma linda oração. Pudemos sentir de perto o conforto daquela visita! Sentimos de perto um amor ativo, daqueles que geram lágrimas por sua simples palavras e presença. Que bela amiga temos em Cristo Jesus.

Olhando outra cena, a cena de hoje, pude ver apenas uma alma já sem o fôlego de vida, marcada pelos traços do sofrimento de um mundo que perece na dor dos seus pecados. Contudo, pude perceber um rosto sereno e tranquilo, um rosto poupado da dor pelo Senhor, pela sua misericórdia e amor, principalmente por seres humanos como ela, que dedicam suas vidas inteiras em nome de Cristo e Seu causa. A certeza da sua salvação nos dá o conforto que somente podemos observar em semblantes contagiados pelo amor de Deus e Sua paz.

O sábio Salomão inspiradamente escreveu: "Tudo tem o seu propósito determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu: há tempo de nascer e tempo de morrer..." (Eclesiastes 3:1,2). O tempo dela certamenmte chegou. Estou longe de saber quais foram os propósitos da Dna. Yolanda ter vivido nesta terra; Deus o sabe. Sei apenas que fará muita falta em nosso meio, pela pessoa agradável, pela exemplo de fé e perseverança na oração em prol de outros. Em contra partida, também há tempo de nascer. Oro a Deus pela nossa filhinha de apenas 100 dias, e que o propósito dela seja parecido com a da nossa amiga - ser uma benção, fazer o bem, amar os seus e acima de tudo, viver para Deus.

A vida e a morte da Dna. Yolanda, sua história, seu amor e preocupação com os outros (em especial com a sua família), me deixou uma lição bem diferente das mensagens que encontramos em adesivos dos carros de hoje: "Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo” (Gálatas 6:2).

REFLEXÕES: “Eu sou a ressurreição e a vida. Quem crê em mim, ainda que morra, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim não morrerá, eternamente. Crês isto?” (Jo 11:25,26)

“Porque o Senhor mesmo descerá do céu com grande brado, à voz do arcanjo, ao som da trombeta de Deus, e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente com eles, nas nuvens, ao encontro do Senhor nos ares, e assim estaremos para sempre com o Senhor” (I Tessalonicenses 4:16-17)

Humildade

(adaptado do texto do Pr. Renato Vargens)

Bem aventurados os humildes de espírito, pois dos tais é o Reino dos céus” (Mateus 5:3)

Essa afirmação de Jesus Cristo foi um grande escândalo no primeiro século. Isto porque, tanto o pensamento como a filosofia grego-romana consideravam desprezíveis pessoas que valorizassem virtudes como a humildade. Tanto para os gregos como romanos, a humildade estava relacionada aos fracos, aos débeis, doentes e incompetentes.

Para a classe dominante, nunca, em hipótese alguma, pessoas bem sucedidas na vida, deveriam cultivar valores como simplicidade e humildade. No entanto, Jesus como Filho de Deus se contrapôs a valores como esses afirmando categoricamente, que o Reino de Deus não é propriedade dos soberbos e arrogantes desta vida, antes pelo contrário, só é possível herdá-lo mediante simplicidade e singeleza de coração.

Thomas brooks, afirmou certa vez: “Os homens mais santos são sempre os mais humildes”. Robert Leighton, disse: As melhores amizades de Deus são homens humildes. Em outras palavras isto significa, que quando mais próximos de Deus estivermos, menos arrogantes seremos.

Jonathan Edwards costumava dizer que um “homem verdadeiramente humilde é consciente da diminuta extensão de seu próprio conhecimento, da grande extensão de sua ignorância e da insignificante extensão de seu entendimento comparado com o entendimento de Deus. Ele é consciente de sua fraqueza, de quão pequena sua força é, e de quão pouco ele é capaz de fazer. Ele é consciente de sua distância natural de Deus, de sua dependência dele, da insuficiência de seu próprio poder e sabedoria; e de que é pelo poder de Deus que ele é sustentado e guardado; e de que ele necessita da sabedoria de Deus para lhe conduzir e guiar, e de Seu poder para capacitá-lo a fazer o que ele deve fazer para Ele.”

Na perspectiva do Reino é importante que entendamos que só alcançamos o trono do altíssimo descendo as escadas. Terminantemente as Escrituras afirmam que Deus exalta os humildes e abate os soberbos. Ora, o trajeto que os vencedores traçam nunca foi e nunca será o caminho da presunção e da prepotência, antes pelo contrário, os vencedores carregam em si a marca indelével da humildade e da simplicidade. Portanto lembre-se: Os que vencem na vida são aqueles que optaram em serem amigos de Deus.

REFLEXÃO: “Eis que cedo venho e está comigo a minha recompensa, para retribuir a cada um segundo a sua obra” (Apocalipse 22:12)


Fonte: Blog do Pr. Renato

Related Posts with Thumbnails