O Dia do Senhor virá como um ladrão

(por Gisele Correia)

”Mas o dia do Senhor virá como o ladrão de noite; no qual os céus passarão com grande estrondo, e os elementos, ardendo, se desfarão, e a terra, e as obras que nela há, se queimarão.” (2 Pedro 3:10)

Quando comecei a aprender sobre as profecias bíblicas e os eventos que precederão a volta de Jesus, eu sempre me perguntava como Ele poderia vir como um ladrão de noite, de uma maneira inesperada, já que teríamos tantos sinais e tantas outras coisas terríveis acontecendo antes mas, mesmo assim, ouviríamos os fiéis cumprindo a profecia: “Esse é o Senhor, a quem aguardávamos!” (Isaías 25:9). Não parecia fazer muito sentido. Mas com o passar dos anos comecei a entender o porquê.

Em 2001, quando ocorreu o trágico ataque às torres gêmeas, eu me lembro como se fosse hoje o quanto se pregou sobre o assunto e o quanto falamos sobre a volta de Jesus nas rodas de irmãos na porta da Igreja. Lembro o quão alarmados ficamos e quão certos estávamos de que realmente o fim estava muito, muito próximo. Mas... passou. Passou até dezembro de 2004, quando novamente ocorreu algo inacreditável: um terrível e avassalador Tsunami. Ficamos todos aterrorizados e novamente pressionamos o botão de alarme “Cristo está voltando”. Mas parece que esse botão de alarme é quase como “Nossa, Cristo está voltando MESMO!!”, o que dá a impressão de que, no fundo, nós não acreditássemos muito mais nisso.

Vez ou outra, ao saber de algo tremendo, uma catástrofe natural, um atentado terrorista, notícias sobre o decreto dominical ou um crime hediondo (mas um hediondo mesmo, porque dos “comuns” - assaltos, corrupção, tráfico etc, já estamos acostumados), comentamos quase que mecanicamente: “É.. é o fim do mundo mesmo!”. Parece que cada vez precisamos de algo mais forte para nos certificarmos de que não cremos numa ilusão, que realmente as profecias estão se cumprindo e que a nossa religião não é só nossa cultura ou filosofia.

Muitos cristãos tem se apresentado como "sapos" - daqueles que só percebem o perigo se forem jogados na água quente, mas não percebem que estão morrendo na água que ferve aos poucos.

"Porquanto, assim como, nos dias anteriores ao dilúvio, comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca e não o perceberam...” Mateus 24:38 e 39.

Os sinais e acontecimentos tem seu papel, mas seu efeito não é duradouro se não mantivermos uma comunhão íntima e constante com Deus. A fonte de nossa fé é Jesus e só uma comunhão real com Ele pode manter acesa e firme nossa fé em tempos de paz e de guerra.

Para os que O amam e aguardam a Sua vinda, Jesus não virá como um ladrão. Virá como a doce realização de seus sonhos. Mas infelizmente virá como um ladrão de noite para os que dormiram, não se prepararam, como as virgens que não tinham azeite nas suas lâmpadas. Mas os fiéis, exultantes dirão:

“... Eis que este é o nosso Deus, a quem aguardávamos, e ele nos salvará; este é o SENHOR, a quem aguardávamos; na sua salvação gozaremos e nos alegraremos.” Isaías 25:9

Que eu e você HOJE, possamos ser este tipo de fiéis.

Um comentário:

Mayla Camargo disse...

Gloria Deus irmão Aleluias! Bela explicação :)

Related Posts with Thumbnails