Corpus Christi e minha experiência

(por Marcio)

"Porque o pão de Deus é aquEle que desce do céu e dá vida ao mundo" (João 6:33)

Muitas foram as vezes em que estive numa fila aguardando o momento em que a hóstia seria colocada na minha boca pelo padre, naquele que é o momento "alto" da cerimônia, onde aprendi desde cedo que o Corpo de Cristo (Corpus Christi em latim) seria introduzido no meu organismo. Esta cerimônia, um dos sete sacramentos segundo a igreja católica, é chamada de Eucaristia, onde o fiel entra em Comunhão (como é mais comumente chamado) ao entrar em contato com aquele pedaço de pão, produzido com água e farinha de trigo, sem sal e fermento. O aviso era: "Não mastigue o pão", porque se mordesse, estaria ferindo o corpo de Cristo. O mesmo então deveria apenas ser dissolvido pela saliva, mas jamais mastigado.

Há alguns anos aprendi que este processo é chamado de TRANSUBSTANCIAÇÃO, ou "mudança de substância", dogma que ensina que ali há a presença real, literal e verdadeira do próprio Cristo sob a aparência de pão, ou seja, o pão e o vinho não simbolizam apenas o corpo e o sangue do Senhor, mas ensina que é o próprio sangue e o próprio corpo de Cristo.

O "comer a carne e beber o sangue" tomou até os próprios apóstolos de dúvidas. Suas emoções foram atordoadas, alguns se escandalizaram. Se absorvessem aquelas palavras em sentido literal, haveriam de ser como canibais (João 6:52). Contudo, um pouco mais adiante no verso 63, Jesus abre-lhes a mente dizendo: "As palavras que Eu vos tenho dito, são ESPÍRITO e VIDA". Neste momento foi-lhes esclarecido de que o Mestre se referia ao "alimento espiritual" e que este só pode ser recebido pela fé. Jesus também disse: "...isto é Meu corpo"; "... isto é Meu sangue..." (Mateus 26:26 e 28). Poderia Ele estar repartindo Seu próprio corpo e servindo Seu sangue na presença dos Seus discípulos? Tal idéia é falaciosa! Interessante, é que a igreja romana não admite contestação em qualquer um dos seus pontos fundamentais. De acordo com ela, o próprio Deus lhes concedeu autoridade plena para interpretar as escrituras, e os fiéis devem acatar toda e qualquer "revelação" sem contestação. O Corpus Christi também é o nome dado a uma das festas desta igreja desde 1264, onde são realizadas desde então procissões em vias públicas; cortejos de "veneração pública" à Eucaristia católica.

No entanto, o participar da Santa Ceia do Senhor é saciar a fome espiritual; significa aceitar ou reaceitar a Jesus como seu Salvador pessoal, é entrar na Vida. Comer do pão material pode saciar nossa necessidade física, mas só "comendo do pão do céu", que poderemos saciar nossas necessidades espirituais. "E Jesus lhes disse: Eu sou o pão da vida; aquele que vem a mim não terá fome, e quem crê em mim nunca terá sede" (João 6:35).

Esta cerimônia solene nos faz lembrar do significado da Sua morte, Seu sacrifício. É a festa da lembrança, da recordação. O Mestre foi muito sábio em cada característica desta cerimônia que deveria ser feita em memória dEle. O pão, alimento comum em quase todas as culturas, deve sim ser mastigado, triturado em memória daquEle que foi machucado pelos pecados de muitos. Está escrito: "Comei" (Mateus 26:26), o que indica a ação de mastigar. É feito sem fermento (símbolo de pecado), assim como Jesus não tinha pecado. O vinho ou suco de uva (também sem fermento), um dos três melhores alimentos para a memória humana, é abençoado (Isaías 65:8). Todos são SÍMBOLOS de uma ordenança que deve ser repetida por todos aqueles que são de Cristo Jesus e querem permanecer nEle, renovando sua aliança, aceitando o "maná do céu" como alimento que fará parte agora da sua própria alma. Jesus usou muitos símbolos, e neste contexto declarou ser o "Pão", mas também disse ser "a Porta" (João 10:7); "a Vinha" (João 15:5), contudo, não significa que Ele seja literalmente um pedaço de madeira ou uma plantação de uvas, são apenas figuras de linguagem.

Esta simbologia da Santa Ceia é melhor chamada de CONSUBSTANCIAÇÃO, crença na presença espiritual de Jesus COM O pão e o vinho, sem modificar suas características. Faz todo o sentido, porque mesmo depois de abençoados pelo ministrante, conservam a mesma aparência, forma, sabor, cheiro, peso e cor. Com todo respeito aos irmãos que pensam diferente, ouvir dizer que alguém mastigou a hóstia e a mesma sangrou, não passa de lenda religiosa.

Enfim, a Mesa do Senhor foi instituída pelo próprio Deus encarnado. Ela representa simbolicamente a lembrança da sua morte e anuncia a Sua breve volta. Enquanto que a I.C.A.R. anuncia a PRESENÇA real de nosso Senhor nos elementos sacramentais, o apóstolo Paulo escreveu aos corintos a AUSÊNCIA real do Senhor, de quem nos devemos lembrar: "Porque todas as vezes que comerdes este pão e beberdes o cálice, anunciais a morte do Senhor até que Ele venha" (I Coríntios 11:26).

REFLEXÃO: "Porém, respondendo Pedro e os apóstolos, disseram: Mais importa obedecer a Deus do que aos homens" (Atos 5:29)

Ref. bibliográfica: A Igreja Católica nas profecias - Orlando J. Oliveira

4 comentários:

FREI FERNANDO,OFMConv. disse...

Quanta blasfêmia, isso prova que de fato, segues a desobediência de Lutero e por isso mesmo experimentarás o fruto desse pecado terrível...

Vede o que São Paulo escreveu depois do versículo 26 que citaste em tua luta contra a presença real de Jesus na Eucaristia:

“Portanto, todo aquele que comer o pão ou beber o cálice do Senhor indignamente será culpável do corpo e do sangue do Senhor. Que cada um se examine a si mesmo, e assim coma desse pão e beba desse cálice. Aquele que o come e o bebe sem distinguir o corpo do Senhor, come e bebe a sua própria condenação. Esta é a razão por que entre vós há muitos adoentados e fracos, e muitos mortos”. (1Cor 11,27-29).

Por isso, “Respondeu-lhes Jesus: Errais, não compreendendo as Escrituras nem o poder de Deus”. (Mt 22,29).

“Portanto, caríssimos, esperando estas coisas, esforçai-vos em ser por ele achados sem mácula e irrepreensíveis na paz. Reconhecei que a longa paciência de nosso Senhor vos é salutar, como também vosso caríssimo irmão Paulo vos escreveu, segundo o dom de sabedoria que lhe foi dado. É o que ele faz em todas as suas cartas, nas quais fala nestes assuntos. Nelas há algumas passagens difíceis de entender, cujo sentido os espíritos ignorantes ou pouco fortalecidos deturpam, para a sua própria ruína, como o fazem também com as demais Escrituras. Vós, pois, caríssimos, advertidos de antemão, tomai cuidado para que não caiais da vossa firmeza, levados pelo erro destes homens ímpios. Mas crescei na graça e no conhecimento de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. A ele a glória agora e eternamente”.
(2Pd 3,14-18).

Não se há de admirar pelas tuas blasfêmias, pois, não passas de um apostata, visto que abandonaste a fé católica para viver na desobediência que hoje segues...Bem falou São João de ti e de tantos outros que seguem a heresia protestante e outras heresias:

“Filhinhos, esta é a última hora. Vós ouvistes dizer que o Anticristo vem. Eis que já há muitos anticristos, por isto conhecemos que é a última hora. Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isto se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos”. (1Jo 2,18-19).

“Por isso, não julgueis antes do tempo; esperai que venha o Senhor. Ele porá às claras o que se acha escondido nas trevas. Ele manifestará as intenções dos corações. Então cada um receberá de Deus o louvor que merece”. (1Cor 4,5).

Que o Senhor mesmo te esclareça a respeito desse teu pecado, pois, Ele mesmo disse: “Eis que estou convosco todos os dias, até o fim do mundo”. (Mt 28,20b).

Marcio Flores disse...

Prezado irmão Fernando,

Antes de tudo, quero agradecer a postagem deixada apesar das divergências de idéias.

De fato vivo no "protesto" iniciado por Lutero, mas não sou luterano, já que o mesmo trouxe muitas verdades que haviam sido pisadas, mas muitas ainda precisavam reaparecer no tempo futuro, como a questão do batismo de crianças instituída no século III. Lutero não inventou nada, apenas levou o cristianismo de volta aos marcos primitivos, já que muitos haviam deixado os ensinamentos puros de Cristo a partir do momento das introduções de idéias pagãs pelo imperador Constantino no mesmo século supra referido. Por isso, o senhor fez muito bem em lembrar das palavras de Paulo: “Filhinhos, esta é a última hora. Vós ouvistes dizer que o Anticristo vem. Eis que já há muitos anticristos, por isto conhecemos que é a última hora. Eles saíram dentre nós, mas não eram dos nossos. Se tivessem sido dos nossos, ficariam certamente conosco. Mas isto se dá para que se conheça que nem todos são dos nossos”. (1Jo 2,18-19). Como pode perceber, estes e todos os outros textos citados pelo senhor, tantos se aplicam a mim pelo seu ponto de vista como se aplicam ao frei, pelo meu ponto de vista.

Mas fica a pergunta, onde estão as minhas blasfêmias? Na verdade achei até estranho um católico usando textos bíblicos já que a bíblia para o mesmo não é a única autoridade de fé - existem ainda o poder da tradição da igreja e o magistério. Em um livro de vossa própria igreja, intitulado “O papa e o concílio”, está escrito: “A escritura é imperfeita e não passa de letra morta, desde que não seja explicada pelo pontífice romano ou enquanto não for permitida a sua leitura ao comum dos homens”.

Vale lembrar também que o respeito pelo próximo é uma marca cristã, o direito a escolha religiosa é um direito inegociável, contudo, agradeço por me chamar de "blasfemador". Não é a primeira nem será a última vez na história deste mundo que pessoas comuns como eu são assim acusadas. O próprio Mestre foi acusado de "proferir blasfêmias", e adivinha só: Qual doutrina era considerada a seita blasfemadora, a dEle ou a dos mestres membros da maior religião da época? Pois é, a história se repete...

Mas como o senhor adentrou este blog com suas considerações, tenho o direito de lhe replicar com as minhas, lhe lembrando pela Palavra, única autoridade de defesa da fé cristã, alguns exemplos de blasfêmia:

- (Marcos 2:7) “Por que diz este assim blasfêmias? Quem pode perdoar pecados, senão Deus?” Você conhece algum(s) ser(es) humano(s) que se auto intitula(m) capaz(es) de perdoar pecados?
- (Atos 10:25-26) “E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés o adorou. Mas Pedro o levantou, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem.” O senhor conhece algum poder religioso que não se incomoda quando seus fiés de ajoelham perante seus representantes ditos “santos”? Nem mesmo Pedro (aquele que é chamado de primeiro papa) permitiu que tal procedimento fosse realizado.
- (Daniel 7:25) “E proferirá palavras contra o Altíssimo, e destruirá os santos do Altíssimo, e cuidará em mudar os tempos e a lei...” Daniel poderia estar se referindo a leis de homens? Não, fala da lei de Deus. O senhor conhece algum poder que tenha mudado os tempos e a lei? Releia Êxodo 20:3-17 e compare com os mandamentos do catecismo que me foram ensinados... são bem diferentes dos apresentados em Êxodo e Deuteronômio 5. O senhor deve saber também que hoje vivemos o "calendário gregoriano", aquele instituído pelo para Gregório, depois de invalidar o calendário instituído por Deus (lunar).
- (Mateus 23:9) “9 E a ninguém na terra chameis vosso pai, porque um só é o vosso Pai, o qual está nos céus.” Não quero subestimar seus conhecimentos, mas o senhor sabe a tradução de padre em espanhol? E em latim?

Marcio Flores disse...

- (II Tess. 2:3-4) “Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição, o qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.” O senhor conhece algum poder religioso que tenha se assentado no suposto templo de Deus e que queira tomar as funções de Deus, dizendo ele mesmo que é o substituto (VIGÁRIO) de Deus aqui na terra?

Ainda tenho apoios extra-bíblicos, como a própria históra nos mostra pelo Concílio de Trento: “O sacerdote é o homem de Deus, o ministro de Deus. . . Aquele que despreza o sacerdote despreza Deus; aquele que o ouve, ouve a Deus. O sacerdote perdoa pecados como Deus, e aquilo que ele chama de seu corpo no altar é adorado como Deus por ele mesmo e pela congregação. . . Está claro que a sua função é tal que não se pode conceber nenhuma maior. Portanto, eles não são simplesmente chamados de anjos, mas também de Deus, mantendo como fazer o poder e autoridade do Deus imortal em nós.” - É, isso sim me parece uma blasfêmia!

Veja ainda o que está escrito em uma literatura católica citada por Lorraine Boettner: “Sem o sacerdote, a morte e a paixão de nosso Senhor não teria nenhum valor para nós. Veja o poder do sacerdote! Através de uma palavra dos seus lábios ele transforma um pedaço de pão em Deus! Um fato maior que a criação do mundo. Se eu me encontrasse com um sacerdote e um anjo, eu saudaria o sacerdote antes de saudar o anjo. O sacerdote ocupa o lugar de Deus.” - É verdade, deste texto não tenho a fonte, mas este escritor sim deve ser chamado de blasfemo, não eu!

Caro irmão, estas são apenas algumas considerações rápidas que lhe escrevo sem maiores detalhes. Não duvido que sejas um homem muito sincero, e de fato deixar de sucumbir com nossas tradições não é algo fácil, como também não foi para meu pai, que também era ministro católico. Mas para fatos não há argumentos. Coloquei apenas "algumas" citações (inclusive católicas) que sustentam minha defesa pelo qual fui acusado, e além do mais o Senhor YHWH é o meu Juiz, e não o "senhor frei".

Graças a Deus, não somente eu, mas TODA a minha família "se tornou herege" conforme o ponto de vista católico romano, mas tampouco me interessa, por que está escrito: "E assim invalidastes, pela vossa tradição, o mandamento de Deus"..."Mas, em vão me adoram, ensinando doutrinas que são preceitos dos homens." (Mt 14:6 e 9).

Meus votos mais sinceros é que não só o frei, mas todos aqueles que tenham qualquer traço (seja ele minúsculo) de dúvida em seu coração em relação àquilo que sempre acreditou, mas não lhe "parece" coerente na sua plenitude, que seja humilde o suficiente para permitir que o Espírito Santo trabalhe em seu coração, juntamente com uma busca FRENÉTICA da verdade na Palavra de Deus, e não na tradição de homens.

Soli Deo Glória.

Anônimo disse...

E a voz do dragão irado, que foi julgado, condenado,só falta a execução da sentença.
Fera terrível,sempre arrogante,sempre
blasfemando...até que o Ancião fara
justiça.

Related Posts with Thumbnails